Hoje tornou-se pública, na Assembleia da República, a posição da maioria dos deputados:
continuam a achar que sou uma cidadã de segunda categoria a quem deve ser vedado o acesso a direitos fundamentais.



- Já sei como tu ficas com estas coisas... Quando desligares o telefone vais começar a chorar... Mas calma... Não podemos ir abaixo. Não podemos desistir. Vamos continuar a nossa luta. E tu e eu, fazendo-o da forma que neste momento nos é permitida: dentro das nossas famílias e entre os nossos amigos. Calma, havemos de conseguir...


6 sobreviveram ao "lápis azul":

Maísha disse...

eu chorei.

indigo des urtigues disse...

:) Tenham calma..isto não foi mais que um amúo do ps, por ter sido uma proposta de outros partidos..é claro e espero que seja essa a mensagem que passe pelos media, que o ps não é contra a mudança da lei, mas foi contra o timing...enfim.. infelizmente, isto é a verdadeira politiquice..mas acredito que em breve esta questão esteja resolvida!unf ;)

@rco Íris disse...

tambem nao consegui controlar a lagrima, ao estar a poucos metros de pessoas que votavam contra o casamento. desilusao e tristeza... senti-me assim para os lados do ridicularizada.

estrelaminha disse...

boa tarde!
foi-me dito que a lei vai ser alterada a curto-prazo (não nos parâmetros exigidos).
bom fim-de-semana!
beijos

Gayja disse...

maísha, estava com vergonha de o admitir mas afinal não fui a única... é impossível não ficar afectado por estas coisas...

indigo, não tenho tanta fé assim... Já andam praí a falar em "uniões civis". E siga a discriminação!?

@rco-íris, imagino que estar lá tenha sido muito mais difícil... Mas olha, para te alegrar, já falei com a tal amiga que te tinha dito e tenho novidades. :)

estrelaminha, não sei se percebi bem o que querias dizer com "não nos parâmetros exigidos"...

Maísha disse...

eu nunca fui dada a sentimentalismos. e como já deves ter reparado considero-me uma pessoa bastante pragmática apesar de ter opiniões apaixonadas. foi uma surpresa quando as lágrimas começaram a cair, mas foi de facto demasiado forte. suponho que a tristeza é uma faceta da revolta...