Estão por toda a parte

Uma mulher entra no corredor das bolachas. Nós estamos do outro lado, a ver a fruta enlatada. Apenas me chama a atenção porque leva um cesto de compras com rodas que faz barulho ao ser arrastado.
Ela é alta, magra, com cabelo pelos ombros e veste calças de ganga e um blusão verde claro.


Pi - pi - pi - pi - pi - pi - pi - pi - pi - pi - pi


Uma outra mulher atravessa ao fundo do corredor e também leva um cesto com rodas. Um pouco mais baixa que a anterior, cabelo aloirado pelos ombros, calças de ganga e um casaco cinzento.

Pi - pi - pi - pi -pi - pi - pi - pi - pi - pi - pi


(«Fogo... Devo ter a mania que todas as mulheres são lésbicas... Tenho de me deixar disto...»)

A segunda mulher volta para trás e vai ter com a primeira.

PI - PI - PI - PI - PI - PI - PI - PI - PI - PI

A minha namorada levanta os olhos da fruta enlatada e quando começa a empurrar o carrinho vê as duas mulheres ao fundo do corredor e comenta «Estás a ouvir um apito? O meu está a apitar.» «Sim, o meu está aqui quase a rebentar.»

E ainda há quem diga que o gaydar é um mito?

Coisas que se apanha na blogosfera

É Sábado e eu não tenho nada a dizer (excepto, talvez, que o regime do sinal no contrato-promessa é uma valente seca... mas isso é conversa para outra altura) portanto vou aproveitar para fazer um daqueles posts esquisitos sobre "prémios" que se distribuem por aí na blogosfera.

A Estrelaminha atribuiu-me o prémio "Este blog é mágico". Obrigada. :)

É uma cena bem ao meu estilo porque não tem regras. Atribui-se e pronto!

Assim sendo, cá vai o meu para a Orquídea e o seu blog "Nascidos do Mar".
Porquê? Ora, a vantagem de não ter regras é que não tenho de explicar nada! Hahahaha! ;)

Bom fim-de-semana prolongado (para quem o pode aproveitar...)!!

Abençoada

crise financeira!!

Graças a ela, este ano as minhas queixas típicas da época de natal vão ser diferentes!!

Este ano não vou ficar farta e passar a vida a queixar-me dos anúncios de brinquedos!!

Este ano o que eu já não posso ver são os anúncios a Bancos!!

Weeeeeee!!


:P

Campanha contra a Violência no Namoro

video

Pena que uma campanha tão boa tenha "esquecido" que nem todos os namoros são entre um rapaz e uma rapariga e que esses outros namoros também estão sujeitos aos mesmos perigos...

É que neste cartaz

"esqueceram-se" de pôr um coraçãozinho com dois nomes do mesmo sexo...


(E nem venham com o argumento de a campanha ter sido promovida pela Comissão para a Igualdade de Género porque, em primeiro lugar, esse facto não conflitua com a razão desta campanha, que abrange tanto casais heterossexuais como homossexuais, e, em segundo lugar, o nome completo é "Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género" portanto se não entra na parte da igualdade de género, entra na parte da cidadania.)



Supostamente o site desta campanha era este mas quando tento aceder pedem-me senha. Não sei que se passa, portanto fica aqui outro.

Serão caseiro

À noite no sofá. Eu vejo televisão mas não dá nada de jeito e ela está com o portátil sobre as pernas a "viciar" num jogo qualquer.

- Amor, amor! Não! Beijinhos agora não! Olha que vou perder!

- Hum... Quero lá saber... Anda cá...

- Não, não! Espera! Espera!

- Deixa-me ver uma coisa. Que acontece se eu carregar nesta tecla?

- Não! Não faças isso!

- Muahahahaha!

- Devolve-me o rato!

- Ok... Aqui tens...

- Oh! Tira a mão da frente do ecrã! Olha que vou perdeeeeer!

- Muahahaha!


(Depois de 20 minutos a fazer de tudo para atrapalhar)

- Olha! Já viste o que está a dar na televisão?

- Amor! Tira o braço da frente! Não consigo ver! Olha que já vi relações a acabarem por coisas muito menos importantes do que isto!

- Tipo o quê?

- Olha, tipo infidelidades!!


lol lol lol


"Ossos do ofício"

Porque é que é perigoso estar a ler em público um Acórdão em que o Tribunal analisa de forma total e absolutamente pervertida uma relação lésbica e no final o meritíssimo ainda tece juízos de valor negativo sobre a questão?

Porque as mãos começam a transpirar, a respiração acelera e de tanto mexer no anel até se causa feridas no dedo.


Por vezes a minha mente viaja e imagino-me a levantar, subir para a mesa e gritar bem alto "INJUSTIÇA"!

Foda-se!

Cada vez mais próxima de um crime de homicídio privilegiado...



Por amor de deus alguém faça um
desenho, um mapa ou use qualquer outra forma para explicar à minha mãe que, quando se entra às 9.30h e se sai às 20h tendo apenas uma hora de intervalo para almoço,


não há paciência para, no final do dia, falar ou discutir qualquer tipo de questão relacionada com trabalho!!





Bolas!


"O armário"

- Olha, o Manuel Luís Goucha saiu do armário.

- Hã? Qual é a novidade? Ele não era já assumido?

- Pelos vistos não... Acho muito bem que estas pessoas se assumam. É pena que não haja mais pessoas conhecidas ou com relevância pública a assumirem a sua homossexualidade. Acho que esse é um passo fundamental.

- Concordo contigo. Quantos mais cá fora, melhor! E tem toda a relevância que sejam pessoas conhecidas ou importantes! Por exemplo: eu estou só à espera de chegar a Presidente do Supremo para sair do armário!

- Hahahahaha!


;P

Indecente...

... é ter um Código Civil de 2007 que já foi alterado 4 vezes!!


Puta que pariu a diarreia legislativa!


Adenda: E muito triste é passar uma tarde inteira a cortar e colar leis! Já disse que odeio Domingos?


Adenda 2 (1:35h): Ainda estar a cortar e colar leis a esta hora é simplesmente deprimente...

Adenda 3 (3:21h): Cortar e colar leis até esta hora é... demasiado ridículo (até devia ter vergonha de o escrever aqui). Odeios Domingos.

Acordar é sempre uma aventura (2)

O despertador não toca e apercebo-me que, depois de ter mandado repetir o toque 5 minutos mais tarde várias vezes, devo ter-me enganado e desligado o alarme.
Com voz arrastada pelo sono:

- Amooooor... Acoooooooordaaaaa... Sabes que horas são?

- Siiiiiiim... Eu ouvi o teu despertadoooooor...

- Mas nenhum despertador tocou agora... Eu desliguei sem querer. E o meu não tocou porque fiquei sem bateria. Foi o teu.

-Eu ouvi o teu despertador do carro.


Hã?!?

lol lol lol

Esta namorada agora decidiu presentear-me com uma destas todos os Domingos de manhã? ;p

Banco - o bicho papão

Anda por aqui a matutar há já algum tempo...

Se nas acções executivas o legislador consagrou limites de impenhorabilidade no art. 824.º do C.P.C. com vista a garantir que o devedor (que não cumpriu uma dada obrigação vencida e cujos bens e património vão ser penhorados) mantém para si um mínimo indispensável à sua sobrevivência (consagração esta que advém de imperativos relacionados com direitos fundamentais plasmados na C.R.P.), como é possível que seja admitido a um Banco operar uma compensação de um crédito sobre o seu cliente com uma conta de depósito à ordem desse mesmo cliente, conta essa que pode ser a sua conta-ordenado?

Os credores de um devedor estão limitados, o próprio Estado enquanto credor também está limitado (tudo para garantir que o devedor não fica "com uma mão à frente e outra atrás" e ainda mantém algum dinheirinho para comer qualquer coisa) mas o Banco pode agir livremente e sem qualquer limite indo muito além do que a ratio daquela norma do C.P.C. e a C.R.P. permitem?


Há coisas que eu não consigo mesmo entender...

(Infelizmente ainda não tive oportunidade de investigar se existe jurisprudência nesta área.)

Diz-me como falas, dir-te-ei quem és

«Às vezes dou por mim a pensar... Nós não podemos ser boas pessoas... A sério que não. Nós não podemos ser boas pessoas porque sabemos o significado de prescricional, interruptivo, propositura, prescribente, consuetudinário, dilucidar, caducidade, tipicidade, nemo plus iuris in alium transferre potest quam ipse habet, precipuamente, animus donandi, iuris tantum, exequendo, inter alia, erga omnes, declaratário, litisconsórcio, reconvencional, normas estradais, hetero-colocação em perigo, negócio usurário, superveniente, prolatar, ex vi e ainda por cima sabemos a distinção entre dolo eventual e negligência consciente. É claro que não podemos ser boas pessoas...»
Hoje neste blog faz-se silêncio e deseja-se boa sorte a tod@s os que têm de fazer aquela anormalidade de exame (you know what I'm talking about). Esperemos que pelo menos seja um exame justo e com poucos erros (a esperança é a última a morrer...).


E como eu não estou obrigada por nenhum dever de imparcialidade, neste espaço torce-se por uma Senhora Doutora em especial que eu sei que vai chegar lá e fazer um exame muito melhor que tod@s @s outr@s!!

Dá cabo deles!! ;)


Ah! E os amuletos da sorte são para os outros! Tu não precisas disso! :D

Dilema de "betinha"

Comprei uma camisa (não, não é nada butch. Mas e se fosse, algum problema? Ai, ai, ai...).
Tirei a etiqueta, usei-a e no final do dia apercebi-me que tinha um defeito numa das mangas (uma coisinha de nada mas eu sou tótil "piquínhas" com as coisas que compro).

Peguei no talão de compra e dirigi-me à loja. Entrei e expliquei o sucedido a um empregado que já vou conhecendo (sim, sou do género de fazer compras quase sempre no mesmo sítio...tenho pouca paciência para andar de loja em loja à procura de roupa por isso vou sempre às mesmas), empregado esse que imediatamente foi buscar outra camisa para me dar e disse que o colega dele trataria do assunto.
O colega perguntou-me se a tinha usado. Eu disse que sim. Ele começou a dizer que sendo assim não podia trocar ao que lhe respondi que se tivesse simplesmente chegado a casa e guardado a camisa no armário nunca teria detectado o defeito... (dããããã...)
Foi aí que ele disse:

- Sendo já usada nós não podemos trocar porque não podemos agora pô-la à venda novamente.

Ora bem, se eu estou a querer tocar por ter um defeito, tem alguma lógica que a camisa seja posta novamente à venda??

Entregou-me outra camisa e logo ali à minha frente eu vi-o a colocar na camisa que tinha acabado de devolver, que tinha defeito, que eu tinha usado e que não tinha lavado um daqueles dispositivos de plástico que tem a roupa que está à venda!

Se calhar ainda sou muito ingénua (ou snob), mas se uma situação destas se passasse na Zara ou uma loja desse género eu não ficaria tão chocada. Mas não era o caso!!
E agora onde é que vou fazer as minhas compras?

"Gap" geracional

A grande vantagem de ter uma namorada mais velha um ou dois (ou três ou quatro ou... ;p) anos e que é infinitamente mais culta que eu é que tenho a oportunidade de descobrir que a Jennifer Beals...

ok, vamos fazer uma breve pausa para admirar...


dizia eu, que a Jennifer Beals não "nasceu" no Lword e que aquelas imagens de um filme com uma miúda a dançar à frente de um júri correspondiam ao filme "Flashdance" com a actriz em causa.




Aparentemente, depois deste filme dizia-se que a carreira dela ia "saltar" mas não foi esse o sucedido. Como já tod@s sabem, esta actriz teve o enorme azar de acabar como personagem lésbica na série Lword.

Azar por acabar a fazer de lésbica? Nããããooo... (essa foi provavelmente a maior sorte da vida dela :p)
O azar foi calhar-lhe a "pãozinho sem sal" da Tina e a nada interessante artista surda-muda.
É que em 5 séries ela só se safou lá com a carpinteira (era carpinteira não era?) e com uma cena entre ela e a Alice na ópera a fazer malandrices!!
Todas as outras actrizes tiveram a sorte de andar a "córtir" com actrizes assim mais, como hei-de dizer, "BOAS" e a Jennifer Beals acabou por ser a mais prejudicada.
Coitadinha da moça... Podia ter tido uma carreira tão "brilhante"... :p

As relações e essas coisas

Em conversa com a minha namorada descobri que temos entendimentos opostos em relação ao que é ou não é permitido fazer quando duas pessoas se amam.

A melhor maneira de explicar a discussão (calma, mas discussão no melhor sentido da coisa! Apenas uma troca de ideias sem gritos nem pratos pelo ar) é através de um exemplo:

imaginem que amam uma pessoa e que com ela têm uma vida em comum. Imaginem agora que essa pessoa tinha um problema qualquer como um hábito, vício ou uma dependência que a prejudicava (por exemplo, que era alcoólica). A minha questão é: até onde o amor justifica que interfiram na liberdade dessa pessoa?

Não, não se passou nada sequer semelhante lá por casa. ;p

Mas a discussão surgiu e eu entendo que quando se ama alguém não é possível ficar parado enquanto se vê a pessoa que se ama a dar cabo de si e o amor legitima qualquer intervenção mesmo contra a vontade da própria (por exemplo, chegar mesmo a arrancar-lhe uma garrafa da mão). Quem adopte uma posição passiva é porque não ama de facto.

Por outro lado, a minha namorada acha que o amor não é justificação para limitação da liberdade ou imposição de condutas a outrém. Assim, no exemplo utilizado, não é o facto de amar a pessoa que se destrói que dá direito a que se interfira ou se limite as suas escolhas conscientes e livres. E se não se é capaz de ficar a assistir à outra pessoa a exercer a sua liberdade de um modo que julgamos negativo apenas resta a hipótese de afastamento.

Reconheço que a minha namorada também tem alguma razão...

Mas qual é a opinião de quem passa por aqui?

De 0 a -1

Ontem, pela primeira vez, fiz algo que nunca julguei vir a fazer: entrei num espaço onde pretendia beber um copo e saí por nesse espaço se encontrar alguém com quem não pretendo cruzar-me nunca mais.

Se me dissessem há uns tempos atrás que faria algo assim, diria que estavam doidos. Nunca tive nenhum problema com ninguém, nunca me chateei com ninguém (nem mesmo na escola naquela fase da pré-adolescência em que as raparigas passavam a vida a zangar-se umas com as outras), nunca sequer me zanguei ou discuti com quem quer que fosse (acho que o meu irmão e os meus pais não contam :p).
Como sou bastante pacífica, gosto é que me deixem em paz.
Só isso. Quase poderia afirmar que o meu dia-a-dia é orientado por esse princípio.
E tive a sorte de até esta idade nunca ter tido ninguém a chatear-me (não sei se foi sorte ou foi recompensa por também nunca ter chateado nem me ter metido na vida de outrém).

Dizia eu, se me dissessem há um mês atrás que eu faria algo assim, diria que estavam doidos e que não me conheciam.
Contudo, isso aconteceu. E não foi nada forçado, não foi sequer reflectido. Foi a mais pura das reacções espontâneas.

Existe neste momento uma pessoa que não quero ver, com quem não quero falar e agradeço até que não me recordem que a conheço.
Porquê? Porque a pessoa em causa me insultou e insultou a minha namorada.
Porquê? Simplesmente porque é adepta de uma mundividência na qual "os outros" são responsáveis pelos seus problemas (típico... todos sabem que é muito mais fácil culpar terceiros quando não estamos bem. Mas ir buscar terceiros que são mesmo absolutamente alheios a tudo... é rebuscado...).

Se estou a fazer-me de vítima? Não preciso. "Segurar touros pelos cornos" é a minha especialidade.

Mas tenho muito bem estabelecidos os meus limites. Há linhas, fronteiras na minha vida que não admito que atravessem.
Além disso, tenho muito pouca paciência para exageros, dramas irracionais e autênticas novelas mexicanas.
Por esta razão não dou azo a quem me provoca nesse sentido. Aparentemente, a minha mensagem silenciosa não foi suficientemente clara.

Sempre me disseram, "não se ama alguém que não ouve a mesma canção".
Eu sabia que tinham razão mas achava que não seria totalmente verdade.
Descobri não só que é totalmente verdade como também que quem arrisca e vai a concertos de música que não é a sua habilita-se a ser perseguido pelo "matraquear" desse som muito além do razoável (ou admissível).

Tenho uma paciência que estica até onde a maioria não chega. Mas não é ilimitada. O limite está no respeito. E se há certas quebras que posso eventualmente perdoar a quem me é próximo, não haja a menor dúvida que não admito uma única quebra a quem nada me diz.

Nunca risquei ninguém da lista de pessoas que me rodeiam. É no mínimo curioso que a primeira vez que o faça seja com alguém que já nem está na minha vida.

Como me sinto?
Imaginem estarem tranquilos em casa, com tudo a correr bem tanto amorosa como profissionalmente e de repente aparecer alguém que está já excluído da vossa vida há algum tempo e que num dia se declara, no dia seguinte insulta a pessoa que amam, no outro dia insulta-vos directamente e finalmente vem pedir contas, tudo isto sem nunca lhe terem dado qualquer tipo de resposta.

Eu disse "curioso"? Perdoem-me. Queria dizer ridículo!

Pelo exposto, sim, eu entrei num espaço onde pretendia beber um copo e saí por nesse espaço se encontrar alguém com quem não pretendo cruzar-me nunca mais.
Estou numa fase da vida em que não posso dar-me ao luxo de perder tempo com inutilidades e não posso incomodar-me (ainda que quisesse).
Como não sou de "falsas cerimónias", "sorrisos amarelos" e não possuo a capacidade de ser dissimulada, opto por evitar situações em que possa vir a ser desagradável (ainda que da outra parte não tenha nunca havido qualquer tipo de cuidado semelhante).

Posto isto, inaugura-se uma nova escala de pessoas na minha vida: a partir de agora não existem apenas as pessoas "+1" ou as pessoas "0", existem também as pessoas "-1".





Apenas para que não pairem dúvidas:
.Será este post uma indirecta?
Dificilmente seria mais directa do que isto.
.Será este post um recado?
Não cometam a imprudência de confundir desabafo com carta aberta.

Acordar é sempre uma aventura

O despertador toca. Sinto os braços que me envolvem. Ela desperta e ainda com a voz arrastada pelo sono:

«Amooooooooor... Desliga a televisão...»


lol lol lol

Nada melhor para começar o dia do que a namorada a fazer-nos rir.


(Nota: por razões políticas relacionadas com a taxa de natalidade nacional somos já há algum tempo adeptas da teoria de que nunca se deve ter televisão no quarto ;p)

A propósito dos MMS gratuitos

«Lolol..inda n parei d rir! Ta mt boa! Imagino s teu blogue tivess fotos..era o delirio!!»


Ora aí está algo que tenho de começar a ponderar... Isto por aqui está muito monótono só com textos...

Depressão domingueira

Domingo...

Domingo...

Domingo...

Domingo...

Domingo...

Domingo...

Domingo...

Domingo...

Domingo...

Domingo...

Domingo...

Domingo...



Vá lá que pelo menos hoje esteve sol...


(E está já empiricamente comprovado: não consigo sair à noite e descontrair. Sinto todo o meu corpo preso pelas cordas do peso na consciência por não estar a estudar...)

O melhor piropo dos últimos tempos


«Tu és tão inteligente, és tão bonita e o teu corpo é tão perfeito que se eu fosse tua ex-namorada atirava-me da ponte abaixo»



;P

Desabafo

(Este post não é indicado para menores de 18 ou pessoas mais sensíveis, nomeadamente que não habitem ou não tenham contacto frequente com o povo do norte do país.)



Foda-se, caralho!!
Estou farta de ter sempre montes de merdas para estudar e passar-me dos cornos de cada vez que penso nos calhamaços que ainda tenho de marrar em tão pouco tempo!!
Porque é que eu não posso simplesmente chegar ao fim-de-semana e desligar do trabalho como a maioria das pessoas? Porque é que não posso sair à noite e curtir como se não houvesse amanhã sem ter de pensar que no dia seguinte tenho de me levantar cedo e preciso da cabeça fresca para estudar?!
E tudo isto para quê? Para ter apenas uma probabilidade de conseguir o que quero!!
Isso mesmo, nada mais: apenas uma probabilidade!!
Puta que pariu esta vida!!

Promessas a pagar (2?)

Cara Mente Assumida,

Já comprovou a sua seriedade e não duvido que seja uma mulher de palavra pelo que se impõe a seguinte questão:

quanto mais terei de esperar pelo "café" que me prometeu?

Não se acanhe agora... Vai ver que eu não mordo. ;)
Beijinhos,

Gayja

Entalado na garganta

Se há coisa que me deixa fora de mim e a "remoer" por um par de dias é o facto de haver quem considere mais atendível o argumento de quem faz apenas uma coisa e quer ficar a dormir de manhã do que o argumento de quem faz várias ao mesmo tempo e quer dar tudo por tudo para conciliar horários de forma a que não haja sobreposição!

É um insulto!

E depois eu é que faço figura de "vaca"!

Não é nada pessoal, mas vão trabalhar, coirões de merda!
Fogo!

Qual é a piada de ter um blog se não posso escrever aqui tudo o que tenho passado e as voltas que a minha vida tem dado ultimamente sob pena de me expor em excesso?

Não tarda nada a Gayja muda-se de "casa"...

Se tudo correr bem, até nem faltará muito!!

O blog a morrer lentamente

Isto de ter andado muito na luta com o meu irmão e os meus primos havia de me servir para alguma coisa...

Ideia daqui.

Feeling

Ou muito me engano, ou os livros que li este Verão a propósito da discussão jurídica sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo ainda vão ser muito mais úteis do que alguma vez julguei...

Posso estar enganada, mas tenho aqui um feeling... ;)
Este blog está pela hora da morte! La la la la la la!
Sobrevivi!!










E a música por aqui agora está um bocado fora do que é usual apenas porque me disseram que é música de miúda com a mania que é fx e achei que era adequado. ;)
Vinha aqui fazer uma "posta" qualquer mas depois lembrei-me que amanhã entro às 10h e saio às 20h com direito apenas a uma hora para almoço...
Vou "mazé" dormir que isto de andar em bloguices não é vida!!

Going nuts? Not yet...

Apetece-me mandar todos à merda!

Não é justo!!

Que foda!!

Eu tinha a minha vida planeada há mais de um ano!
Tudo planeado ao mais pequeno pormenor. Inscrevia-me nisto, inscrevia-me naquilo, estudava isto, estudava aquilo, trabalhava aqui, trabalhava ali... O tempo sempre muito bem contado para que não houvesse sobreposição de momentos críticos.
A loucura do ritmo foi merecidamente gozada por um amigo que me dizia ironicamente:

- Tão pouca coisa... Tens a certeza que não te queres meter também num curso de culinária?

Trabalhos, exames, aulas e ainda me sobrava tempo para me divertir de vez em quando!
Agora, de repente, de um momento para o outro e sem que nada o fizesse prever, lixaram-me.
Resultado: frustração total de expectativas.

A única solução a partir de agora é não desperdiçar tempo com coisas que não interessam para nada.
É o tudo ou nada. E começa hoje.

Por isso não se admirem se este blog começar a ser deprimente ou exageradamente dramático.



(P.S.: só para terem noção da gravidade da situação, até os meus pais vão aproveitar o tempo livre para fazerem resumos para mim...)

Estranho

é meter a mão no bolso traseiro das calças de ganga e de lá retirar cartões de apresentação profissional dos nossos amigos de festas e loucuras dos tempos da Universidade!



(Estou a levar esta coisa de ficar velha demasiado a sério...)

Conselhos de amiga que "sabe das coisas"


- Está toda a gente maluca. Tudo a entrar em pânico. Não vale a pena... Estou sempre a dizer-lhes para terem calma... Que não vale a pena stressar, que agora temos é de aproveitar o tempo que ainda temos para estudar...


- Não! Não faças isso!! Deixa-os stressar! Quantos menos forem, melhor! Quando começarem a entrar em pânico tens é de incentivar e dizer que o melhor é desistir porque já não vai dar!

- É pá... Isso é indecente... E perfeito!!



Se virem alguém dentro de uma sala aos gritos, sou eu a tentar espalhar o pânico!! Muhahahahahaha!

Curiosidades que não interessam nem ao puto Jassus

Atendendo a que no espaço de um mês e meio gastei uma caneta bic preta inteirinha, não será de admirar que o calo no dedo do meio da mão direita esteja mais feio do que em qualquer outra fase da minha vida...

Só a mim?

Estou cada vez mais convicta que certas coisas, de facto, só acontecem a mim.
Não sei porquê.
Se calhar é só mania da perseguição...

Mas digam-me sinceramente, conhecem alguém que tenha levado o carro à oficina (e não era uma oficinazeca qualquer onde "dão o jeitinho" - até porque o meu carro não vai a esses sítios - mas uma coisa a sério, da própria marca) e o tenha recebido de volta no mesmo dia com o médio fundido?

Cá se fazem, cá se pagam...

Bem o meu pai me avisou que aquela vida que eu levava nos meus tempos de estudante havia de me sair cara...

Aí está a prova: segundo um teste que encontrei neste blog, o meu cérebro é 5 anos mais velho do que o meu corpo.

Interpretando o resultado conclui-se que cada um daqueles 5 anos de curso teve um peso em dobro no meu cérebro.
Bonito serviço...

A crise dos outros

Ando há uns dias a matutar...

Dizem que o país está em crise.

É do conhecimento geral que todos devemos ponderar as nossas despesas.

Todos sabem que uma grande parte da população portuguesa recorreu ao crédito para comprar casa, carro, televisão, férias ou até outra merda qualquer sem a qual passavam muito bem e que uma grande percentagem dessas pessoas não tem capacidade para pagar o que deve pelo que corre o sério risco de perder património e ter de se adaptar a um novo nível de vida (mais baixo).

Dizem que os tempos são de incerteza mesmo para a classe média alta.


O que eu não entendo é como é que esta crise não afecta os estudantes universitários!

Como é possível que em qualquer dia da semana os locais habitualmente por eles frequentados estejam sempre cheios e continuem a ver-se grupos de estudantes todos os fins-de-semana em jantaradas e bebedeiras?

Como é que a crise dos pais, que se vê nas lojas de bens de consumo mais básicos, não afecta o consumo dos filhos estudantes, que incide sobretudo sobre estabelecimentos de alimentação e diversão nocturna?

Só a título de exemplo, terão alguma vez o Piolho ou os restaurantes que se situam nas suas imediações sentido a tão famosa "crise"?

Não percebo... Não percebo...
Aaaaaaaiiiiiii... que é Domingo e eu tenho tanto para estudar...


Puta que pariu a depressão domingueira.

Padrões de normalidade

Ora vamos cá a ver uma coisa.

O facto de eu e a minha namorada mudarmos de tarifário para podermos fazer chamadas entre nós sem qualquer limite, é normal.

Que o meu irmão também opte por este tarifário e agora façamos muito mais chamadas entre nós, também é normal.

Que a minha melhor amiga tenha esse mesmo tarifário e agora liguemos uma à outra por tudo e por nada, de igual forma não vai além da normalidade.


Mas


a minha mãe (!!) mudar de tarifário e poder telefonar-me a toda a hora sem qualquer limite e eu não poder dizer "estás a gastar muito dinheiro" nem poder utilizar a desculpa de "estava sem dinheiro no telemóvel" para justificar meia dúzia de dias sem um único contacto, é de dar com qualquer gayja em louca !!


Que fiz eu para merecer isto...?

Pôr tudo em dia

Coitado deste blog... Foi mesmo abandonado...

Mas hoje, finalmente, já tenho um tempo livre para vir a este espaço escrever palermices e partilhar com um sem número de desconhecidos as peripécias mais parvas da minha vida que não interessa a ninguém.

Por onde começar?

A "cena" do multibanco! Vou começar por aí!

Foi mais ou menos assim: imaginem que estavam super hiper (mais ou menos 2h) atrasadas para algo que tinham combinado e ainda por cima precisavam meter gasolina e levantar dinheiro.
Como qualquer pessoa normal, dirigiam-se a uma bomba de gasolina, enchiam o depósito e iam pagar. No acto de pagamento, além do stress de estarem atrasadas, começavam a stressar porque tinham uma longa fila de pessoas atrás à espera, tinham um autocarro com passageiros (esta é que eu ainda não consegui perceber...) atrás do vosso carro à espera para abastecer e entre cartões e talões e cupões e merdas tentavam despachar aquilo o mais rápido possível.
Depois, dirigiam-se à caixa multibanco, inseriam o código, seleccionavam o montante e vinham embora. Tudo isto a correr porque, relembro, estavam super atrasadas.
Agora imaginem que se "metiam a caminho" e pouco quilómetros depois de entrar na auto-estrada.......... ó não!!

Ó não!!

Ó NÃÃÃÃOOOOO....

Abrir a carteira! Espreitar o sítio das notas. Nããããooo!! Onde está o dinheiro?!?
Juro que por segundos o meu coração parou.
Ainda por cima na auto-estrada não podia inverter a marcha e tive de seguir mais uns quilómetros até à próxima saída para poder voltar para trás (diga-se: tudo isto em excesso de velocidade, claro...).
Telefonei à namorada. Desesperada. Eu não queria acreditar. Ela não queria acreditar... Voltei à caixa multibanco. Estava lá o talão do levantamento. Mas dinheiro?
Nicles!
Claro que ninguém viu nada, ninguém reparou em nada... "Chamem este", "chamem aquele", lá vem o gerente dizer que tinha estado a ver o vídeo de vigilância e de facto tinha ido uma pessoa depois de mim mas não era possível ver se tinha retirado algum dinheiro que lá estivesse. E eu sentia-me tão estúpida... Até tinha vergonha de estar ali a contar o que tinha acabado de fazer. Sugeriram-me que esperasse 1 ou 2 dias porque possivelmente a máquina tinha recolhido o dinheiro e seria colocado na minha conta novamente.
Voltei ao carro. Sentia-me tão estúpida. Liguei à namorada e desatei a chorar. Estava tão zangada comigo!!
Agora vem a parte boa e em que eu chego à conclusão que sou mesmo super sortuda.
A namorada descobriu que eu devia dirigir-me a um Banco e explicar o que tinha acontecido para, caso ninguém tivesse levado o dinheiro, eles voltarem a colocá-lo na conta. Assim fiz 3 dias depois do sucedido e 15 dias depois...
Txarã!! 40€ de volta à sua origem!!
(É pá! Nada de piadas! Eu não tenho ordenado! É claro que 40€ para mim já é montante suficiente para muito drama.)
Final feliz.


Agora as cenas profissionais.

Tinha um prazo para entrega de um trabalho que terminava numa Sexta-feira. Azar dos axares, fui logo ficar doente nessa última semana! Escusado será dizer o quanto me custou estar à frente do PC a terminar o dito trabalho. Mas mais uma vez, a sorte esteve do meu lado e o prazo foi alargado até à Segunda-feira seguinte!! La la la la la! Quem é a filha da mãe mais sortuda? ;p

Entretanto, em menos de uma semana, fui abordada com duas propostas de trabalho. Assim, sem mais nem menos sem sequer estar à procura! Quem é sortuda, quem sou?

Uma última grande novidade neste campo surgiu também esta semana e está relacionada com aquele "grande plano" que já tantas vezes referi neste blog. Já me fartei de dizer aqui que tenho toda a minha vida planeada há mais de um ano em função de um objectivo muito bem definido. Agora que estava a poucos meses de atingir esse objectivo final, "alguém" decidiu antecipá-lo. É mau. É muito mau. Retira-me meses dos quais não podia mesmo prescindir... Mas nem por isso vou desistir. Vou até ao final com o plano. Custe o que custar... E neste caso custa a viagem à Índia... Acho que nem me vou pronunciar mais em relação a este assunto...

As "cenas" do aniversário:

Ando aqui à voltas com um presente que a minha mãe me ofereceu. Estou a tentar perceber... É uma almofada com corpo de ovelha, nariz de pelicano, chifres de alce, orelhas de carneiro e patas de flamingo! Terá alguma mensagem subliminar?
E o melhor presente de todos? O almoço, lanche e tarde passada com a minha namorada (se bem que ela por si já é o meu maior presente).


Ufa.

Acho que por agora ficou tudo. Agora tenho de ir ali "dar uma mãozinha" nas arrumações antes que a minha miúda se zangue comigo!!

Amorziiiiiiiiinho... Já voooouuuuu... ;)

Desespero!!

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA










(semana de grandes mudanças, revelações, alterações de planos e muito pouco tempo para bloguices! Depois explico! :p)

Dia histórico

Ontem foi um grande dia.

Atrevo-me mesmo a dizer, um dia que vai ficar na história para sempre.

Um dia que possivelmente virá a ser visto como um marco de mudança.
















Ontem, juntei-me ao grupo dos que têm "quase um quarto de século"!!


;p
Tristeza de vida... Vou dormir.



(este blog está a acompanhar a sua proprietária no seu actual estado de desgaste físico e mental)
Vinha aqui dizer o quanto odeio este dia e fazer uma tragédia em torno desse assunto mas ainda não tenho o trabalho em dia pelo que estou impossibilitada de fazer "postas".
Veredicto: crise de vesícula.

E eu que pensava ser demasiado nova para coisas deste género...