Orgulho

Estamos em época de "orgulho"!
(Tanto em Lisboa - 28 de Junho - como no Porto - 12 de Julho.)

Chega esta altura e dá-me vontade de estar em todas!
Infelizmente, por várias razões que não me apetece expor agora (talvez o faça noutro post mais tarde), a decisão de aderir ou não às celebrações não é para mim tão simples como poderia (deveria!) ser.


Contudo, não adopto aquele discurso "comodista" que muitos entre nós adoptam ("não é por marchas que vamos lá", "as marchas são uma palermice, só dão má figura dos LGBT", "a luta não passa pelas marchas", "isso é uma perda de tempo" ou, pior ainda, "eu não sofro discriminação") que, parece-me, não passa de paleio de quem não está para levantar o rabo da cadeira para fazer o que quer que seja pelos seus direitos e, por comodismo ou cobardia, opta pela posição mais fácil de criticar o trabalho dos outros.

Já se sabe que este é um tema que levanta muitas questões e várias opiniões.

Mas no fundo, o que está em causa nesta altura é o "orgulho".
Essa palavra "orgulho" que tantos heteros e homos (e tides e skipes ;p) continuam a não entender e fazer dela uma interpretação conforme aos seus interesses. Também não vou agora explicar do que se trata o "orgulho" aqui em causa (já 500mil blogs antes de mim o fizeram - a título de curiosidade, ver aqui).


Queria apenas aproveitar esta altura para colocar uma questão a tod@s LGBT que eventualmente por aqui passem:


se a partir de hoje pudessem optar entre ser homo/bissexual ou heterossexual, qual seria a vossa escolha?


Adenda: a minha resposta?

Quando me colocaram esta pergunta pela primeira vez, hesitei. Indubitavelmente, tudo seria mais fácil se eu simplesmente me apaixonasse por homens.
Não vou dizer que nunca me senti atraída por rapazes. Sim, senti, quando era adolescente. Contudo, não é sequer comparável a intensidade dessa atracção com a que sinto por mulheres.
Não vou dizer que é apenas pela minha namorada.
Não é. Eu já era lésbica antes de qualquer envolvimento de facto com uma mulher.

Nem sempre tive plena consciência disso. Desde cedo coloquei essa possibilidade mas foi preciso uma paixão que não compreendi e eu própria reprimi e neguei para me aperceber que era eu quem me estava a limitar.
Quando me libertei, assumi para mim mesma o que se passava e, mais tarde, assumi perante outros, senti-me livre como nunca antes. Subitamente, senti-me bem! Não sou capaz de explicar a sensação.
Antes do presente relacionamento, tive apenas um outro. Não os trocava por nada.
Não digo que relacionamentos com mulheres são melhores ou piores do que com homens. Simplesmente, para mim, ser plenamente feliz significa partilhar a minha vida com uma mulher.
Repito: não o trocava por nada.
Se hoje tivesse de escolher? Homossexual, sem dúvida.

29 sobreviveram ao "lápis azul":

Estrelaminha disse...

boa tarde!
pergunta difícil...
prefiro não optar, quero ser feliz e amar quem me faz feliz, só isso. ;-)
bjs

Buu disse...

Exacto, não me faz a mínima confusão ser como sou, apenas sigo o caminho para ser feliz :)

*

Gayja disse...

estrelaminha, então se essa pessoa é uma mulher, posso depreender que a sua escolha seria ser homo/bissexual?
*bjs*


buu, então se te dessem a possibilidade de te apaixonares por um homem, ser feliz com ele e ter a vida muito mais facilitada de então em diante, seria esta a tua opção? ***

stonewall girl disse...

ola menina gayja boa tarde
ser mulher e gostar de mulheres nao eh facil no país em que vivemos e nesta sociedade preconceituosa, mas eu sou como sou e encontrei espaço para a minha felicidade. se negasse a minha maneira de ser e de amar estaria a ser infeliz e ninguem merece ser infeliz
por isso nao vou fugir a tua pergunta: se eu pudesse escolher entre ser hetero ou homo escolhia ser exactamente como sou, ou seja lesbica
eu vou a marcha de lx porque acho importante estar presente, so isso
parabens pelo post e pela tua coragem, beijinhos

Ana disse...

Olha, ser hetero seria sem dúvida mais fácil, poupava-me uma data de trabalhos, uma data de fingimentos, e não tinha de ouvir certas bocas foleiras que às vezes magoam.
Mas, e uma vez que também me faço muitas vezes de vítima, preferia ser homossexual. As raparigas são mais interessantes, mais giras, e não deixam a tampa da sanita levantada quando vão à casa de banho.

Philip disse...

Eu não sei se disse isto no teu blo **pensativo**:
Mas eu estou com a Ana, se seria mais fácil ser heterossexual? Sem dúvida. Mas, tenho muito orgulho em me distanciar dos rapazes heterossexuais e se pudesse escolher, escolheria na mesma a homossexualidade e orgulho-me disso.

P.S. - Odeio-me (=P)por adorar o teu blog :)

Gayja disse...

stonewall girl, era mesmo aí que eu queria chegar! Uma resposta directa! Obrigada pelo contributo! :)

ana, cuidado... algumas raparigas deixam a tampa da sanita levantada! (eu devo confessar que o fazia até ter ido morar com um homem que implicava comigo e estava sempre a chamar-me a atenção por eu o fazer!!). E sim, as raparigas são muuuuuuuuuuito mais giras! :p

philip, julgo que o "orgulho" é mesmo isso... ;)
(ps - também vou ao teu quase todos os dias. ;) )

veludonegro disse...

acho que nunca me tinha divertido tanto a ler um blog! quando entrei ainda pensei que n valia a pena gastar a minha energia a responder a esta pergunta, mas mudei completamente de ideias! lésbica que não vai a marchas!

Estrelaminha disse...

boa noite!
eu não estou a fugir à questão, só que não me identifico com rótulo .
mas se formos por aí, podes considerar que o que depreendes-te está correcto.
bjs.

Gayja disse...

estrelaminha, ups! Eu é que não percebi o alcance do comentário.
Sim, não identificar com rótulos também é legítimo. :)
Infelizmente, a maioria das pessoas que conheço que dizem isso fazem-no para "xutar para canto" a questão e fingir que não se passa nada. Mas, pelo que vejo, tenho a certeza que não é esse o seu caso! :)
*bjs*

Hipi disse...

Sou bissexual e para mim é mais complicado responder. Actualmente tenho uma relação hetero porque me apaixonei por um homem. Escolhi ficar com ele não por conveniência, mas por amor. Antes desta relação amei mulheres e foi sempre muito difícil viver com isso. Se um dia este amor acabar e eu voltar a amar uma mulher provavelmente vou lutar por essa relação com todas as minhas forças, mesmo que seja mais "fácil" ser hetero. Obviamente que para mim é difícil dizer se prefiro homens ou mulheres porque já amei os dois. Portanto a minha escolha seria sempre baseada no amor e não no sexo ou no "orgulho"

Gayja disse...

veludonegro, :) Aceito isso como elogio! ;) Mas então, lésbica que não vai a marchas como responde à questão?


hipi, acho que a minha pergunta se dirige a bissexuais também mas no seguinte sentido: e se pudessem fazer com que nunca mais se apaixonasse por mulheres? Optaria por essa possibilidade?
O "orgulho" a que me refiro no post é precisamente o orgulho de escolher com base no amor! ;)
Obrigada pelo contributo (às vezes parece que a bissexualidade é um pouco negligenciada...).

Hipi disse...

Se eu olhar para a questão das "chatices", escolheria não voltar a apaixonar-me nem amar homens nem mulheres:-)
Como amar e ser amada (por um homem ou por uma mulher) é o melhor que a vida tem, isso não é opção. Assim sendo, se este meu actual amor terminasse e pudesse escolher, escolheria poder voltar a apaixonar-me por uma mulher, porque é demasiado maravilhoso para se desperdiçar!

Caramela disse...

se com esta pergunta queres dizer, se escolhia ser heterossexual apenas para poder ter uma vida mais facilitada a resposta é não. sou como sou, gosto de quem gosto. desde que seja feliz, pouco mais me interessa. e a felicidade não necessita de vir necessariamente da facilidade (sem me faço entender. espero q a pergunta esteja respondida.

sara cacao disse...

Hi! :)

Eu não mudaria nada em mim apenas vícios e alguns apenas! Prefiro ser uma pessoa íntegra, a minha orientação sexual é apenas uma característica entre outras. Bem sei que esse "detalhe" é passível a uma discriminação na lei - e não só!-, mas por isso estamos aqui a combatê-la. Cada um da forma que melhor de identifica. Via blog inclusive.

Poppie disse...

Este post d� para ser fragmentado em muitos� Come�ando pelo fim� Escolha? N�o escolheria� seria o que seria. Ponto! Ir ou n�o � marcha suscitou j� discuss�es algo acesas entre mim e a namorada, por exemplo. Temos posi�es diferentes. Eu passei de comodista a querer mudar o mundo. Ela passou de adolescente rebelde a adulta conformada. Tenho pena que a comunica�o social apenas passe da marcha a imagem de festa e brincadeira. N�o vou poder ir por outros motivos, tamb�m nobres� mas se tivesse um clone� O orgulho� a palavra orgulho, essa sim causa ainda mais discuss�o e confus�o na cabe�a de muita gente� E voltando ao in�cio� N�o � o orgulho de ser gay, l�sbica, hetero, bi, preto, branco ou amarelo �s bolinhas, mas o orgulho na pessoa que se � n�o ter pudor de o assumir e lutar por aquilo que entende como sendo seus direitos� o pior � quando se come�a a interpretar a palavra � letra e se distorce o seu sentido.

Maísha disse...

mas gayja é essa a minha resposta à questão... a minha escolha seria inquestionavelmente: lésbica, por amor a mim, à vida, às mulheres que possuem uma beleza tão poderosa, subtil e misteriosa, mas lésbica que não vai a marchas! (si si c'est moi, veludonegro...)

Maísha disse...

e siiiimmmmm! é um elogio! :-)

Dantins disse...

Claro que escolheria ser homossexual :)
Porque haveria de escolher outra opcção se amo a minha vida e a mulher que tenho ao meu lado? Mas se, por mero acaso, tivesse nascido homem, aí sim, já escolheria ser hetero ;)
O que quero dizer com isto tudo, é (que me desculpem os homens) que prefiro as mulheres, além da parte física que me atrai, acho que se consegue alcançar uma sintonia e uma envolvência única com outra mulher.
Quanto às Marchas, pois eu sou a favor e vou lá estar! Penso que faz todo o sentido manifestarmo-nos na defesa dos nossos direitos.

Gayja disse...

caramela, pergunta respondida, indeed! :)

sara cacao, nem outra reposta se esperaria de ti! ;) "via blog inclusive"... tenho as minhas dúvidas que por aqui se consiga ou eu contribua para alguma coisa, mas faz-se o que se pode! :)

poppie, se bem entendi (decifrei ;p) o que escreveste, concordo contigo.

dantins, há a possibilidade de nos vermos por lá, então... ;)

sara cacao disse...

Via blog ou outras vias, a do blog é tão válida como qualquer outra. No combate à discriminação vale tudo. A visibilidade a nível da internet tem sido uma ferramenta muito, muito útil. Nenhuma se basta sozinha, são precisas muitas mãos... muitos blogs, muitas marchas, muitas entrevistas, MUITA VISIBILIDADE.

:)

AD disse...

Para mim, essa questão nem se coloca pq pura e simplesmente sou homossexual. Amo a minha mulher e o seu corpo. Sinto atracção por mulheres, os homens não me dizem nada, portanto, sim, sou lésbica e com muito gosto.
Não mudaria por nada. Por quê mudar qd se é imensamente feliz? Cada um é como é, não nos devemos sentir mal só por amarmos uma pessoa do mesmo sexo. Temos sim que ser felizes ao lado de quem amamos e de quem nos ama.
Eu sei que, por vezes, não é fácil, mas qd se ama tudo é ultrapassável.
Quanto ao irmos à Marcha do Orgulho, claro que vou (vamos) à Marcha! Se não formos nós a lutarmos pelos nossos direitos quem será? Não temos que ter vergonha ou medo de sermos e mostrarmos quem somos.
Eu tenho muito orgulho em amar uma mulher!

Gayja disse...

sara cacao, concordo que os blogs até têm sido uma ajuda na "causa" (?) mas muito limitada... Pelo menos com este blog, o que se passa é que a maioria das pessoas que por aqui passam são LGBT e já estão sensibilizadas portanto o blog não vem mudar nem acrescentar nada... Os únicos "heteros" que por aqui passam são meus amigos e esses já estão sensibilizados portanto também não vai alterar nada quanto a eles...

ad, tanta assertividade! até dá gosto! :))

subtilezas disse...

eu não te posso responder porque não me encaixo nas opções. isso é mesmo muito complicado. eu defino me como ser multissexual. estou a estudar para fazer descrição e catalogação de livros, discos, fotografias, etc...e é super complicado...pessoas ainda é mais. beijios gayja (sem muito tempo para a resposta a ultrapassar o meu record que queria)
*fim de semestre*

Rebeca disse...

não escolhia... tal como me acontece, eu apaixono-me por uma pessoa, não me interessa se é homem ou mulher, seria mais fácil que fosse sempre por um homem. tendo em conta as discriminações, mas não podemos escolher quem amamos e eu não queria desperdiçar a oportunidade de amar uma mulher, só por causa da facilidade...

Não sei se me fiz entender...

Gayja disse...

cara subtil, mas então multissexual não é apenas mais uma etiqueta? :p Bom estudo e boa sorte para trabalhos/exames/whatever! (solidariedade aqui deste lado...) ;)

rebeca, sim, fez-se entender. :)

subtilezas disse...

é:D mas uma mais abrangente:D, tipo: pessoa. ihihihihihih. damn, daqui a nada exame, mas antes inda cá vim cuscar. beijinhos gayja*

Anônimo disse...

Gayja: se queres ir às marchas, e só tens disponibilidade para uma, talvez a de Lisboa seja a melhor opção. Não só porque é maior, mais variada, descomplexada e interessante, tem um grande Arraial fora de portas noite fora (onde não pagas para entrar!), como também na do Porto, este ano, vá-se lá saber como ou porquê, no manifesto falam de poligamia (que sabe-se lá o que tem a ver com LGBT!) e reivindicam que seja ensinada nas aulas de educação sexual para as crianças!!
(não é brincadeira, embora pareça!!)

Gayja disse...

subtilezas, vir aqui antes do exame?!? Não devias estar a rever qualquer coisa?! (Gayja em modo pseudo-moralista ;p) bjs



anonimo, por acaso já tinha falado sobre isso com a minha namorada e também estamos muito desconfiadas com a marcha do porto... Os organizadores não são aqueles que nos parecem mais correctos e ficamos um pouco de pé atrás... Quanto à poligamia, não tenho opinião totalmente formada quanto a esse assunto mas à partida não me parece que seja um tema que deva ser abrangido pela marcha LGBT... Vou ler o manifesto. Obrigada pela info! :)