Querer e não poder

Precisava oferecer um cão!
Felizmente procurava um cão adulto portanto a melhor opção era um cão adoptado.
Fui a casa de quem os abrigava.
No meio de 500 mil cães (a minha namorada diz que eu sou super exagerada, porque será?) estava uma cadela que logo me saltou para as pernas e todo o tempo que lá estive "meteu-se" comigo. Às vezes fixava-me e parecia mesmo que dizia «leva-me contigo».

O cão para ser oferecido não foi logo escolhido e fomos ver outros.
Uma outra cadela de outro sítio foi escolhida para a adopção.

Já lá vão 5 dias e não consigo parar de pensar na primeira cadela...
Safada! Conquistou-me!

Mas não posso trazê-la para casa...
Acho que vou ficar a matutar nisto os próximos tempos.


(Este blog vai passar por uma fase muito estúpida até Novembro. Há uma grande probabilidade de mais posts tontos como este virem a ser publicados. Por favor, nem sequer tentem perceber.)

4 sobreviveram ao "lápis azul":

AD disse...

Quando nos olham com aquele ar... com aqueles olhos carentes... se põem a saltar à nossa volta... ai!
Como te compreendo.

Berto disse...

para ajudar ainda mais: já viste que ia ser uma excelente companhia quando estivesses a estudar? teres alguem que te faz companhia nessas longas horas de dura agonia? ;)

pessoa solidária disse...

Não me parece que este post seja tonto! Uma cadelinha consquistou o seu afecto. É pena que não possa ficar com ela.

Gayja disse...

ad, até fiquei a pensar se não teria sido melhor se não tivesse lá ido...

berto, felizmente para o estudo já tenho a companhia de uma amiga! :)

pessoa solidária, talvez ainda haja esperança... se eu conseguir dar a volta aos meus pais... ;)