Ainda a propósito dos cidadãos de 2.ª

Em conversa com a namorada...

- E os colegas do trabalho que não foram convidados para o casamento, juntaram-se todos e ofereceram aquela máquina Nespresso.

- Estás a ver! É incrível! Quando um casal hetero se junta ou casa, toda a família, amigos e colegas contribuem com qualquer coisa e ajudam a "construir" aquela vida em conjunto. Quanto a nós... Qual dos nossos amigos nos vai oferecer uma varinha mágica ou um avental quando tivermos a nossa casa?

- Sim, não temos o apoio de ninguém. Temos de ser nós a construir tudo. Ninguém nos incentiva ou sequer ajuda a "construir" uma casa.

- E nem sequer podemos contar com presentes de casamento. Sei que pode parecer demasiado materialista, mas a realidade é esta: quando um casal celebra o casamento recebe presentes que ajudam o casal a "construir" a sua nova casa. Nós, na melhor das hipóteses, podemos contar com os nosso pais, quando eles lidam bem com a situação.

6 sobreviveram ao "lápis azul":

Berto disse...

Se os vossos amigos ficarem felizes por voces, e se vosses fizerem uma festa (pq o casamento é para ser celebrado), pq não haveriam de receber prendas? Dosen't make any sense...

aNa disse...

não te preocupes que a morena arranja logo uma data de coisas para oferecer! ;)

Maísha disse...

não tem nada a ver com materialismo é mesmo assim, é difícil começar uma vida em conjunto, sobretudo quando não se tem nada. já tive essa conversa várias vezes.

a namorada da gayja disse...

Ó berto, o que não tem qualquer sentido é o teu comentário! Não sei se reparaste, mas nós não podemos fazer uma festa para celebrar o nosso casamento porque... nós (ainda) não podemos casar-nos uma com a outra! Qual foi a parte que tu não percebeste? Atendendo aos acontecimentos dos últimos dias, quase apetece perguntar: berto, berto, em que planeta vives tu?!

Berto disse...

a namorada da gayja: simples, para mim casamento não é um papel assinado. Pelo que percebi, voces já são casadas (pelo meu ponto de vista).
Eu explico: Casamento é quando duas pessoas que se amam assumem um compromisso uma com a outra em que vivem juntas, para bem e para o mal, bla bla bla. Certo? O meu caso: eu vivo com a minha namorada, amamo-nos, estamos juntos para o bom e mau e bla bla bla. Não vejo no que para nós os dois um papel vá mudar. Em termos "oficiais" sim, finanças e raios que o parta, mas para nós os dois e para os nossos amigos, somos casados ponto. Eu não preciso de um papel para dizer que estou casado, eu preciso é de sentir que estou casado, preciso de sentir que quero assumir esse compromisso com alguem! Tira a parte legal da equação, e diz-me: que diferença iria haver em termos sentimentais (eu estou a assumir que voces vivem juntas) e práticos na vossa vida? Vão continuar a ter as mesmas despesas, os mesmos sentimentos, a mesma casa, etc. Atenção, eu não estou a dizer que estou contra o casamento, eu sou a favor causa (Nem que seja pelo direito de ter uma escolha de dizer "eu não me caso apenas pq não quero")! Muita gente fala da festa, mas para a festa, tb não preciso de um papel. Como já temos planeado (falta a parte do guito para realizar), vamos fazer uma festa, para comemorar a nosso "casamento", com os nossos amigos, para festejar esse momento especial para nós. É esse ponto que vos estava a dizer, que vai para além de leis e merdas que sociedade tanto gosta de impingir (eu sou anti-sociedade!!!) e estava a dizer que o casamento real é algo sentido, e como tal, transcende qq lei, e que voces se querem casar e festejar esse compromisso com os amigos, apesar de legalmente ainda (mas espero que brevemente possam) não o possam fazer, não é razão para não um momento de partilha da vossa felicidade, com amigos e familia! O problema de hoje em dia com casamento é esse mesmo, é um contrato que se faz, e quase ng liga o verdadeiro casamento que é o que se sente quando se diz "aceito"! Podem muito bem se casar agora, ter as prendas todas (Que se realmente tem amigos, eles não querem saber se o papel está assinado ou nao, mas sim com a vossa felicidade), a festa, a partilha, e quando finalmente for aprovada a lei, vão ao notário e escrevem lá o vosso nome. Estou assim tão errado?

Anônimo disse...

@s solteir@s podem dizer o mesmo! (vide sexo e a cidade!)