Desilusão (5) ou "onde acaba a falta de vergonha?"





- Ó amor, vê se concordas comigo na análise que faço da jogada dos socialistas: eles queriam continuar a piscar o olho aos gays para depois daqui a não sei quanto tempo garantir que eles continuassem a votar neles.
Sendo a proposta aprovada ou levada a discussão antes disso, então eles são forçados a tomar uma posição, o que não queriam fazer para poderem garantir o voto dos gays para as próximas eleições.
Por isso não querem sequer discutir o assunto...


- ... e se desculpam com vaidosismos políticos vergonhosos.
Os outros vieram estragar-lhes o esquema. Claro que sim!
O plano era: mantemos os gays enganadinhos com promessa de discussão na próxima legislatura. Se avançamos agora não temos outra hipótese senão votar a favor e, uma vez que temos maioria, a proposta era aprovada e pronto.
Assim, os gays que só votavam em nós por isso, já não votariam nas próximas porque já tinham isso resolvido e ainda perdíamos os votos de todos aqueles que são contra e ficavam zangados connosco.
Se tudo corresse como planeado, das duas uma: ou na próxima legislatura tínhamos maioria (o que toda a gente sabe que não vai acontecer) e nessa altura avançávamos com a proposta e andávamos por ali a "enrolar" com debates e discussões e tal para chegar ao fim e dizer que a maioria da população portuguesa é contra e portanto vamos respeitar isso, ou então não tínhamos maioria e avançávamos com uma causa perdida à partida mas que nos garantia o voto dos gays durante os próximos anos.
Mas vieram agora estes gajos lixar o plano!!


- Eles nunca tiveram uma intenção séria de levar isto para a frente! Isso agora é óbvio!


A propósito, vão lá espreitar aqui e aqui.

3 sobreviveram ao "lápis azul":

AD disse...

Epá, quando ontem ouvi aquelas declarações do Sócrates, deu-me cá uns nervos e uma revolta!!!

O PS não anda a reboque dos outros partidos... mas, este PS julga-se dono e senhor da verdade e de quando essa verdade é verdade? E o direito de duas pessoas do mesmo sexo ao casamento resume-se a timings eleitorais?

Há uns anos, foi publicada uma entrevista a este senhor, na qual ele afirmava ser a favor dos casamentos entre pessoas do mesmo sexo (infelizmente, não guardei essa revista). Pois, tornou-se Primeiro-Ministro e tudo esqueceu...

Maísha disse...

ok. portanto já ninguém pensa que o projecto lei poderá eventualmente passar na próxima legislatura certo?

Gayja disse...

ad, aqui a namorada diz que se lembra dessa entrevista e que acha que a tem guardada! Eu não me lembro...

maísha, não. Acho que essa conversa da próxima legislatura não passa disso mesmo: "conversa"!