Balanço final (2)

Este blog começou numa altura em que eu estava mal.

Tinha acabado de me licenciar e, não só ainda não tinha decidido o que queria fazer, como tentava fugir a esse assunto. Não estava preparada para decidir o que quer que fosse.

O departamento amoroso da minha vida estava um verdadeiro caos.
A relação com a minha primeira namorada tinha terminado porque eu estava perdidamente apaixonada por outra mulher.
Estava muito confusa, não sabia o que fazer ou como gerir o que sentia. Apesar de ter já tido muitos sinais de que aquela relação estava a esgotar-se e fazia cada vez menos sentido, eu julgava que ainda a amava e estava a ter alguma dificuldade em libertar-me. Por outro lado, não sabia quais eram as intenções desta mulher por quem me tinha apaixonado e o medo de criar expectativas que viessem depois a ser frustradas não me permitia tomar uma posição definitiva.

A minha mãe, vendo-me a entrar nesta espiral de confusões, fez-me um ultimato.
Uma manhã de Domingo, eu estava a tomar o pequeno almoço, ela entrou na cozinha, colocou-se de pé à minha frente e com as mãos pousadas sobre a mesa disse-me: "Já decidiste o que vais fazer? Chega de atrasar esse assunto. Está na altura de decidires e traçares um plano."

E assim foi.

Em relação à parte amorosa da vida, decidi deixar-me de merdas e fazer o que queria. Arriscar sem medo. E aqui estou eu: ao lado da mulher que amo cada dia mais (é a pdl) e que todos os dias me retribui todo esse amor. Quanto a este "departamento", digo sem qualquer hesitação que não poderia ser mais feliz.

Mas nem só de amor vive uma mulher.
Muito menos uma mulher como eu para quem o trabalho, a carreira, a ambição e realização profissional são a razão para sair da cama todos os dias.
Escolhi um objectivo.
Fui falando com as pessoas que me rodeavam para saber o que achavam e tracei um plano para conseguir "lá" chegar.

Nessa altura, as reacções foram diversas. Desde o muitas vezes ouvido "mas isso não é muita coisa?" ao "olha que isso é muito complicado... é melhor ires pensando noutras coisas", passando pelo "se há alguém que consegue, esse alguém és tu!" e pelo "meu amor, vai ser difícil mas eu acho que tu consegues".

Hoje consegui. Realizei o meu maior sonho.

Houve alturas em que tive um ritmo de trabalho totalmente alucinante. Tinha todos os dias controlados ao minuto e apenas o Domingo livre (para estudar!). Saltitava de uns compromissos para outros tendo até por vezes de sair mais cedo de uns para chegar a tempo a outros cujo horário coincidia.
Muitas vezes chegava ao final do dia e só queria cair nos braços da minha namorada e dormir. Outras alturas tornei-me absolutamente insuportável, com mau humor e implicativa e atirei tudo isto para cima da única pessoa que podia compreender e perdoar tamanha infantilidade e descontrolo hormonal: a minha namorada. Se vos dissesse tudo o que ela aturou...

Agora ficava bem dizer "nunca deixei de acreditar que conseguia!" mas não é verdade. Houve alturas em que me apeteceu rebentar com tudo, mandar tudo à merda e desistir.
Valeram-me duas pessoas: a minha mãe e a minha namorada.

1. A minha mãe que um dia, quando lhe disse que não aguentava mais e estava farta, me respondeu "aguentas sim! Sabes porquê? Porque tu és Mulher! Aguentas isso e muito mais!"

2. A minha namorada que várias vezes, com a maior paciência e calma que possam imaginar, me disse "anjinho, concentra-te no teu objectivo. Tens de ser forte... Não faças nada que possa comprometer o teu caminho."

Na fase mais crítica deste percurso, a coisa ficou feia. A minha vida social morreu e valeu-me o apoio, além dos suspeitos do costume, também de alguns amigos. De uma em particular que me telefonava com alguma frequência para saber como eu estava e para me dar força.

Mesmo no final, entrei na fase do choro. Aí já estava a dar as últimas e chorava por tudo e por nada.

Valeu a pena. Tudo valeu a pena!

Quando estava no meu 12.º ano a pensar no que ia fazer com a minha vida tomei uma decisão: estabeleci os 25 anos como idade limite para atingir a minha independência económica.

C o n s e g u i .

Hoje sou só mais uma gayja, mas sou a gayja mais feliz do mundo.

13 sobreviveram ao "lápis azul":

Pandora disse...

Acompanho o teu blog quase desde do seu inicio e é bonito ver como mudaste ao longo do tempo.
És um exemplo para qualquer pessoa!
Espero seguir umas pisadas semelhantes x)

Beijo para as duas,
Pandora

Cris (Mahinder Kaur) disse...

Boa! Fico feliz por estares feliz (pronto, estou a tratar-te por tu...), e por teres atingido o objectivo que traçaste, e ultrapassado todas as dificuldades que tiveste ao longo destes anos. Uma gayja feliz, e ainda por cima a mais feliz do mundo, é motivo para comemorar! :)

AD disse...

Temos que lutar por aquilo em que acreditamos pq nós somos don@s da nossa vida.

Fico contente por teres alcançado o que tanto desejaste e estares bem.

Beijo para vocês.

Lilly disse...

éS uma inspiração :)

admiro-te muito, e tudo o que tens e és hoje é apenas mérito teu!

Admiro a tua persistência, a maneira como estabeleces-te prioridades...eu não consigo...

Não consigo separar a minha vida privada da vida estudantil, e na maioria das vezes ponho a faculdade um bocadinho para trás, algo que sei que não deveria fazer. Mas infelizmente sempre fui muito dependente emocionalmente de outras pessoas, e acabo por pôr a minha vida emocional sempre à frente, algo que se reflecte na faculdade. Não me vejo a ser uma grande profissional bem sucessida, e talvez seja esse pessimismo e pouca persistência que faz com que desanime e não estabeleça as prioridades da forma que devia...

Enfim...gostava de ser como tu...

Avidni disse...

Parabéns senhora D. Gayja.

:)

@rco Íris disse...

esta última frase quer dizer que o blog muda de nome? :p

pride :) parabens (outra vez)!

Penguin disse...

Admiro a tua força.
Parabens!

Luka disse...

Ser mulher e qualquer coisa! ;)
Parabens!

@rco Íris disse...

lembrei-me doutra coisa: esta nova etapa determina que podemos ser amigas!

lua ( disse...

Muitos parabéns, seja lá por que motivo for!

Essa é a garra das verdadeiras MUlheres!!!

Um abraço

Gayja disse...

Até me deixam corada... ;)
Obrigada a tod@s.

Marisa disse...

Parabéns. :p

orquídea disse...

Parabéns moça-mulher-gayja e o escambau! :))

Foi muito bom encontrar o teu blogue. É muito bom ler-te. É melhor ainda ler-te feliz e a realizar o que te propuseste! :)

beijinhos